5 sinais de ansiedade infantil que você deve dar toda atenção | bioXtra

5 sinais de ansiedade infantil que você deve dar toda atenção

 em Ansiedade

A ansiedade infantil afeta 1 a cada 10 crianças e pode se manifestar de diversas formas. Saiba neste artigo!

Ao decorrer da infância é comum que a ansiedade se manifeste por meio de alguns sinais, porém na maioria dos casos ela não é preocupante. Os responsáveis devem se preocupar com a ansiedade em crianças apenas quando passam de limites aceitáveis e afetam o cotidiano, suas relações interpessoais, impossibilitando uma vida normal.

Todos os traços da personalidade e temperamentos da criança são importantes no diagnóstico. Experiências traumáticas, de abandono e problemas em casa podem ser desencadeantes da ansiedade infantil. Se não tratadas e acompanhadas por um médico, a disfunção pode interferir na aprendizagem e muitas vezes acompanhar até a vida adulta, sendo fator de risco para exposição ao álcool e tabagismo na adolescência.

A ansiedade infantil se manifesta das seguintes formas:

Fobias

A ansiedade neste caso se caracteriza pelo descontrole causado pelo medo. Fobias costumam ser superadas à medida que a criança se sente na condição de se defender ou percebe que seu medo é irracional. Também pode se manifestar como ansiedade social, quando criança é, ou pensa que é, o centro das atenções.

Ansiedade de separação

É um transtorno típico e muito comum dos 5 aos 12 anos. A sensação de dependência total dos pais, ou responsáveis, causam este tipo de ansiedade. Ao contrário do que se imagina, é mais normal em famílias presentes e com fortes laços afetivos. Crianças tendem a ficar assustadas em situações que ficam sozinhas com o desconhecido.

Ansiedade generalizada

Há crianças que se sentem travadas e demasiadamente nervosas sobre situações gerais. Elas não costumam ter uma gatilho específico para causar isso e normalmente os sintomas não tratados acompanham a criança durante seu desenvolvimento.

Pânico

Crianças que sofrem com ataques de pânico tem que conviver com o pavor de ter outra crise. Elas podem desenvolver sintomas físicos como tontura, coração disparado, tremores, falta de ar, sudorese, náusea e dor de estômago. Lembranças negativas relacionadas ao lugar ou situação que desencadeou a última situação ansiosa, podem ser gatilhos para uma nova crise.

Estresse pós-traumático

Transtorno de ansiedade pós traumático em muitos locais é tratado como um transtorno a parte, porém está incluso no espectro da ansiedade. Na maioria dos casos é causado por um trauma grave como um acidente ou abuso sexual. Crianças neste quadro tem tendência a reagir de duas formas: mantendo memórias detalhadas do momento ou entrar em estado de negação. As duas formas causam irritabilidade e consequências tanto no presente, quanto no futuro.

Lidar com a ansiedade infantil não é uma tarefa fácil para os pais e responsáveis, porém necessária para saúde mental de um ser humano que está em desenvolvimento e que precisa ser cuidado e respeitado como indivíduo pensante.

A terapia cognitiva – comportamental normalmente é a primeira escolha para os psiquiatras que cuidam de crianças. Em casos mais graves pode haver necessidades de medicação. Pequenas atitudes que os responsáveis podem tomar para ajudar os pequenos a superar aos poucos seus medos é acompanhar e expor a criança aos poucos para uma situação ansiosa, desta forma, tirando a importância negativa do medo.

Conhece alguém com pequenos que sofrem deste mal? Compartilhe essa publicação com eles!

Postagens Recentes

Deixe um Comentário