Conheça os efeitos colaterais da terapia antitumoral em pacientes submetidos à quimioterapia e à radioterapia

Os tratamentos contra o câncer, como quimioterapia e radioterapia, podem provocar efeitos colaterais dos mais diversos tipos. Conheça alguns deles.

Os efeitos colaterais da terapia antitumoral, também conhecida como terapia anticâncer, atingem comumente pessoas submetidas à quimioterapia e radioterapia. Os efeitos variam conforme o sexo, idade, região afetada pelo câncer e o tempo em que o paciente está em tratamento.

Os pacientes acometidos com câncer devem ser esclarecidos quanto aos efeitos colaterais antes de ser iniciado qualquer tipo de tratamento. Além disso, é importante que eles saibam em detalhes quais as finalidades de cada terapia, como ela será realizada e quais cuidados devem ser tomados. Tais orientações permitirão que os resultados alcançados sejam os melhores, dentro do possível.

Efeitos da quimioterapia

Os problemas com a saúde oral consequentes da terapia usada no tratamento oncológico acometem cerca de 90% das pessoas que tratam câncer na região da cabeça e pescoço e 40% das pessoas que tratam tumores em outros locais com quimioterapia. A boca seca (xerostomia) e a inflamação na boca (mucosite) são muito comuns nesses pacientes.

A quimioterapia pode ocasionar ainda problemas neurológicos como: cefaleia (dor de cabeça), confusão mental, convulsão, dor nas pernas, paralisia motora, rigidez na nuca, sonolência, sintomas depressivos e coma.

Efeitos adversos cardiovasculares também podem ser associados à quimioterapia e, entre eles, estão: calafrios; falência do miocárdio e hipotensão; fibrose pulmonar, que pode ocasionar tosse seca, dispneia (falta de ar) e febre; mal-estar; perda descomunal de peso; e ruídos nos pulmões.

São ainda problemas associados ao tratamento quimioterápico: os gastrintestinais, como dores na garganta e mucosite; hematológicos, principalmente na medula óssea; urológicos, atingindo o endotélio urinário; nas células lábeis, os quais podem gerar vermelhidão, dor, urticária, queimação e necrose; e hiperpigmentação do trajeto, resultando em trombose, escurecimento das veias e alopecia (redução de pelos).

Efeitos da radioterapia

Os efeitos colaterais da radioterapia estão ligados à dose de radiação, modo de administração, extensão e região irradiada, e intensidade de radiação. Um dos quadros mais comuns é a diminuição do fluxo salivar e o surgimento de mucosite, além de dor intensa, mesmo com o mínimo de estímulo externo.

A radioterapia pode ter como efeito adverso também infecções bacterianas, trismo (constrição da mandíbula), cáries de radiação e modificações no tecido ósseo, sendo que a osteorradionecrose é considerada a mais grave. Tais reações são mais acentuadas em pessoas que já passaram pela quimioterapia antes do tratamento radioterápico.

Problemas com a deglutição, como dores leves ou acentuadas, também podem estar associados à radioterapia. Além disso, a rouquidão originada com o tratamento radioterápico pode provocar dispneia ou sangramento, caso as cordas vocais estiverem na região irradiada. Outro efeito é a otite, podendo ocasionar surdez no paciente em casos mais graves.

Os problemas de saúde oral associados ao tratamento oncológico podem ser os mais devastadores, em curto e longo prazo, uma vez que atingem as ações humanas fundamentais, como alimentar-se e comunicar-se.

Recomenda-se, portanto, que as pessoas em tratamento contra o câncer consultem o cirurgião-dentista e o fonoaudiólogo, se for o caso, antes mesmo de iniciar as terapias, para que estes profissionais possam orientar e acompanhar a saúde do paciente.

O acompanhamento de um profissional habilitado é muito importante para evitar complicações maiores durante o tratamento, de modo que este não precise ser interrompido. Compartilhe essas informações com seus amigos que estejam passando pelo tratamento oncológico, para que estejam cientes dos efeitos colaterais das terapias.

Postagens recentes

Deixe Seu Comentário