Tudo sobre enxaguantes bucais: saiba como escolher

Há vários tipos de enxaguantes bucais disponíveis no mercado. Saiba suas diferenças e aprenda a escolher o melhor para você.

O enxaguatório ou enxaguante bucal ajuda a evitar o mau hálito, protege os dentes contra cáries e o acúmulo de placas, além de refrescar e lubrificar a boca. São diversas as vantagens desse líquido vendido nas prateleiras de higiene pessoal, entretanto, é importante ter cuidado no momento de comprá-lo.

Existe uma variada gama no mercado desses produtos também conhecidos como antissépticos bucais, os quais se diferenciam não só pela marca, mas principalmente pelas suas composições. Assim, saber o seu objetivo com o uso do enxaguante bucal e possíveis restrições é o início da escolha certa ao adquiri-lo.

Como escolher

Optar pelo enxaguatório adequado evita traumas, como os de produtos que ardem na boca, e ainda impede complicações maiores, como os enxaguantes que contêm açúcar e outras substâncias nocivas à saúde.

Evite produtos com álcool

Os enxaguantes bucais que contêm álcool, por exemplo, devem ser evitados, uma vez que causam o ressecamento da boca e ainda geram ardência. Esse tipo de produto também prejudica o chamado esmalte dentário, deixando-o com mais poros.

Os dentes porosos ficam mais vulneráveis à absorção do corante ingerido com alimentos, o que faz com que a dentição fique amarelada mais rapidamente, por causa do uso do enxaguante errado. Nesse caso, a única solução será o clareamento dental realizado junto a um especialista.

O componente clorexidina

Enxaguantes bucais que contenham gluconato de clorexidina, também conhecido apenas como clorexidina, são antissépticos, isto é, eliminam bactérias. Nesse ponto, é importante ressaltar que nem toda bactéria da flora natural deve ser combatida, pois algumas são fundamentais para controlar a acidez bucal e auxiliar no processo de digestão.

Os enxaguatórios antissépticos devem ser utilizados somente sob orientação, com frequência moderada. Pessoas com sangramento na gengiva e outros problemas na região bucal, por exemplo, são beneficiadas pelos antissépticos bucais. Contudo, seu uso em excesso pode gerar as mesmas complicações dos enxaguantes com álcool.

A utilização exagerada dos enxaguantes com clorexidina é capaz de ocasionar ainda a descamação da mucosa bucal, a qual aumenta a sensibilidade aos alimentos, e modifica o paladar. O uso contínuo desse tipo de produto deve ser, portanto, de no máximo uma semana.

O enxaguante bucal fluoretado

O enxaguatório bucal mais indicado para uso diário e constante é o que contém somente flúor. Assim como os produtos antissépticos, o enxaguante fluoretado também tem a venda livre, porém, o usuário não corre o risco de amarelar os dentes por causa de seu uso.

O flúor auxilia a fortalecer o esmalte dentário no processo de desmineralização, isto é, na perda de minerais das camadas externas dos dentes, evitando a formação de cáries. A desmineralização é provocada especialmente pela ingestão de ácidos, como sucos, refrigerantes, álcool e outros.

O único cuidado com o enxaguante bucal fluoretado é para não o ingerir, pois causa incômodos estomacais, náuseas e diarreia. O produto é contra-indicado para crianças que não têm coordenação para cuspir totalmente o excesso do líquido.

Como decidir o seu enxaguante

Existem muitas opções de enxaguatórios no mercado. Portanto, é recomendado que você esteja informado sobre cinco aspectos:

1. Sua necessidade

Vale lembrar que o uso do enxaguante deve ser a última etapa de uma higienização bucal completa. Antes de fazer os bochechos, você deve utilizar o fio dental e realizar a escovação adequada.

O tipo de enxaguatório é indicado de acordo com cada caso. Por exemplo, pacientes com problemas na região da boca, como sangramento, devem optar pelos antissépticos, enquanto pessoas com a saúde bucal em dia devem preferir produtos menos agressivos à flora natural. Por isso, é importante consultar o seu dentista para receber orientação sobre qual o melhor produto para a sua necessidade.

2. Tipos de enxaguante

O profissional de odontologia é o profissional habilitado para indicar o melhor produto para você. Ainda assim, é importante conhecer os tipos de enxaguante e para que serve cada um. As principais diferenças estão entre os antissépticos, os produtos com álcool e com flúor.

3. Contraindicações

Enxaguantes bucais não são indicados para todas as pessoas. É importante saber, por exemplo, que esse tipo de produto não é recomendado para crianças com menos de três anos de idade, pessoas idosas com dificuldade motora grave e pessoas que estão em tratamento de quimioterapia ou radioterapia.

Existem ainda casos de pessoas que devem ter cuidados especiais na hora de escolher o enxaguatório, mesmo que a saúde da boca esteja ótima. É o caso de pacientes como os diabéticos, que devem evitar produtos com açúcar ou álcool.

4. Mau hálito

Os enxaguantes bucais não têm como única função combater a halitose. O mau hálito combatido pelo uso de enxaguatórios é, na realidade, mascarado, sendo que a sensação agradável dura pouco tempo.

Quem sofre com halitose de maneira constante deve procurar um dentista para que este realize o diagnóstico preciso a fim de encontrar a origem do desconforto. As complicações que podem ter originado a halitose vão desde gengivite, refluxo gástrico, cáseos amigdalianos até diabetes ou problemas renais.

As funções dos enxaguatórios são mais complexas e englobam, além de um cheiro aprazível, a limpeza da região da boca e o combate às bactérias.

5. Utilização

Usar o produto da maneira correta garantirá o sucesso do seu efeito. Geralmente, os enxaguantes vêm em embalagens parecidas e você deve realizar o seguinte procedimento:

  1. Encha a tampa da embalagem com o líquido até a marca indicada (cerca de 20ml);
  2. Faça bochechos por aproximadamente um minuto. O produto deve atingir todos os dentes, a língua e o palato (céu da boca);
  3. Cuspa o produto na pia, sem engolir qualquer quantidade dele;
  4. Evite lavar a boca após o uso do enxaguante;
  5. Prefira utilizar o enxaguatório à noite, quando a salivação é reduzida e o produto permanece mais tempo na boca.

Os cuidados com a saúde bucal incluem a escolha sensata de produtos adequados, que não causem efeitos colaterais negativos. Você sabe qual o melhor enxaguante bucal para você? Conte para nós nos comentários abaixo.

Postagens recentes
mostrando 2 Comentários
  • mario cunha
    Responder

    o uso do enxaguante interfere no tratamento com radiologia nos casos de linfomas no pescoço ?

    • bioXtra
      Responder

      Olá, Mario. Nossos produtos não tem nenhum tipo de efeito colateral podendo ser utilizados, no seu caso, sem nenhum problema. Não podem ser usados apenas em casos de pessoas com alergia a leite ou ovo.

Deixe Seu Comentário