Verdades e mentiras sobre tireoide

Nesse posts separamos as principais verdades e mentiras sobre tireoide que costumam contar. Leia!

A tireoide é uma glândula com um formato que lembra uma borboleta, situada no pescoço, na frente da laringe. É uma das mais conhecidas e maiores glândulas do corpo humano, com um peso aproximado de 15 a 25 gramas em uma pessoa adulta.

Também chamada de tiroide, essa glândula atua em funções de órgãos essenciais, como o coração, cérebro, fígado e rins. A tireoide intervém ainda no crescimento e desenvolvimento de crianças e adolescentes; no controle de ciclos menstruais e do peso; e ainda em fatores como a concentração, humor, memória e equilíbrio emocional.

O perfeito funcionamento da tireoide garante o autocontrole e estabilidade do corpo humano. Essa pequena glândula endócrina produz os hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina), os quais agem em todos os sistemas do corpo humano.

Se a tireoide não opera de maneira apropriada, pode liberar hormônios em quantidade exagerada (o chamado hipertireoidismo) ou baixas quantidades (denominado hipotireoidismo). Há muitas verdades e mentiras acerca da tireoide e seus distúrbios, e nós separamos cinco delas abaixo para que você entenda. Leia.

Dizem por aí que…

  • A tireoide é uma glândula muito importante para o organismo.

Verdade. Se comparada a outros órgãos, essa glândula é pequena. Porém, os dois hormônios que a tireoide produz, o T3 (triiodotironina) e o T4 (tiroxina), afetam diretamente no controle emocional e ndesenvolvimento adequado do corpo.

Para quem tem problemas de tireoide, os hormônios T3 e T4 podem ser produzidos em laboratório e serem ingeridos no formato de cápsulas, fato que possibilita a reposição dos mesmos. Isso vale também para pacientes que necessitam retirar a glândula, no caso de problemas maiores.

  • Todo mundo que sofre com distúrbios na tireoide tem um “papo” no pescoço.

Mentira. Há diversos tipos de hipotireoidismo e nem todos resultam no surgimento da tireomegalia (hipertrofia da tireoide ou o conhecido “papo”). Geralmente, a pessoa com distúrbios na tireoide procura o especialista por causa de outros sintomas relacionados à enfermidade.

  • O hipotireoidismo pode causar depressão.

Verdade. Aproximadamente 50% das pessoas diagnosticadas com hipotireoidismo apresentam sintomas relacionados à depressão e aproximadamente 30% dos depressivos têm hipotireoidismo.

Os hormônios da tireoide agem justamente em sistemas associados ao humor, memória, libido e outros. Assim, observa-se transtornos mentais ou alterações bruscas de humor em pacientes com problemas na liberação dos hormônios T3 e T4.

  • Quem tem nódulo da tireoide tem câncer.

Mentira. Estudos calculam que, após os 40 anos de idade, aproximadamente 50% da população tem algum nódulo na tireoide ainda que nem suspeitem e sequer tenham sintomas ou alterações em exames de sangue. Normalmente, os nódulos são percebidos em exames de rotina, como a ultrassonografia.

  • Quem toma hormônio da tireoide emagrece.

Mentira. Tomar esse tipo de medicamento sem ter de fato hipotireoidismo até causa a perda de peso, mas de maneira totalmente errada. O emagrecimento dessa forma começa pelos músculos, causando a perda de força, flacidez e o enfraquecimento da massa óssea. Destaca-se também que os problemas podem ser ainda maiores, atingindo inclusive o coração.

Vale lembrar que, independentemente do conhecimento que você tenha sobre tireoide, é importante realizar exames de rotina e preventivos, de modo que controle continuamente a produção de hormônios. Você sabe mais algum mito ou verdade sobre tireoide? Comente!

Postagens recentes
mostrando 4 Comentários
  • CINTIA RIBEIRO DE AMORIM
    Responder

    POR FAVOR RESPONDA MINHA PERGUNTA CINTIA RIBEIRO DE AMORIM

    • bioXtra
      Responder

      Boa tarde, Cintia. No que podemos ajudar?

  • Gislaine
    Responder

    Tratamento da tireóide pode acarretar ganho de peso? em 3 anos de tratamento não conseguir estabilizar, é normal ?

    • bioXtra
      Responder

      Isso depende do tipo de tireoide.
      O ideal é conversar com o médico que acompanha seu tratamento!

Deixe Seu Comentário