Diabetes e álcool: cuidado com essa combinação!

 em Diabetes

O consumo de bebidas alcoólicas pode ser um problema para quem tem problemas de saúde. Entenda o por que da diabetes e álcool serem uma combinação perigosa!

A diabetes é uma doença desenvolvida pelo corpo que não produz a quantidade certa de insulina ou que tem problemas de absorver a insulina produzida. Por este motivo, o açúcar presente no sangue aumenta e aparecem diversos sintomas. Veja os principais a seguir:

  • Sede em excesso;
  • Micção frequente;
  • Muita fome;
  • Alterações no peso;
  • Visão turva;
  • Fadiga.

Diabetes e álcool: entenda a combinação

O consumo de bebidas alcoólicas por pacientes diabéticos é desencorajado pelos médicos. A ingestão tende a desequilibrar os níveis de açúcar, alterando o efeito da insulina (produzida ou injetada) no corpo.

A hipoglicemia (baixo açúcar no sangue) tem maiores chances de acontecer com o consumo do álcool pelo diabético. Os principais sintomas são: tontura, sonolência, falta de orientação. A hiperglicemia (aumento do açúcar no sangue) também podem acontecer com a ingestão de álcool.

Um fator que pode prejudicar o diabético diz respeito ao estímulo de apetite que o álcool tem como consequência. A bebida pode afetar o julgamento, fazendo o paciente ingerir muito mais calorias do que deveria.

Pacientes diabéticos que consomem álcool tem maiores chances de sofrer um AVC e com a pressão alta do que se comparado aos que não bebem.

É preciso deixar de beber?

Dois devem ser os questionamentos do paciente antes de ingerir álcool, essas são:

  • A minha diabetes está controlada?
  • Quanto o álcool pode interferir nos meus outros problemas de saúde, como pressão alta e problemas no nervo diabético?

A grande maioria dos pacientes tem noção do efeito do álcool em sua saúde. Porém deve ser pensado também o quanto isso é saudável ao longo prazo.

Ingerir bebidas alcoólicas em pouca quantidade, de vez em quando, em ocasiões especiais pode ser possível caso suas taxas de glicose estiverem controladas e a dieta sendo seguida.

Na consulta com o médico esse assunto deve vir a tona para determinar quais bebidas são permitidas, as quantidades e a frequência que podem ser consumidas sem interferir na saúde. O médico responsável também pode sugerir acompanhamentos para evitar que o paciente caia na tentação de comer algo fora da dieta e consequentemente, se sentir mal.

Alternativas possíveis

Cada bebida altera os níveis de glicose estimada no sangue de acordo com a quantidade de carboidratos que ela possui. As mais calóricas tendem a ser as fermentadas, como vinho e cerveja. Por sua vez, a cerveja tende a aumentar as taxas rapidamente a partir do segundo copo. Mas os vinhos normalmente tem menos carboidratos em sua composição.

Destilados como vodka, whisky, rum e gim não tem carboidratos significativos. Por esse motivo costumam não causar grandes alterações nos índices glicêmicos. Porém, é bom lembrar que estamos falando dessas bebidas puras e isoladas. Quando misturadas com outro ingrediente, esse deve ser levado em consideração.

O consumo de álcool em excesso pode causar danos em diversos órgãos como coração, pâncreas e fígado, além da desidratação causada. Quem é portador da doença já tem maiores chances de problemas nos órgãos citados, por isso é indicado a redução de consumo.

A média recomendada universalmente é de duas doses de bebidas destiladas para mulheres e três para homens.

Conhece alguém diabético que tem dúvidas sobre a combinação de diabetes e álcool? Marque ele nos comentários!

Postagens Recentes

Deixe um Comentário

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

pré diabetes descubra o que grupo de risco sintomas e os tratamentosCrianças diabéticas diagnósticos e tratamentos