Síndrome de Melkersson-Rosentha: tudo que você precisa saber | bioXtra

Síndrome de Melkersson-Rosentha: tudo que você precisa saber

 em Dia a dia

Síndrome rara, que causa diversos problemas e limitações. Neste artigo, explicamos tudo que você precisa saber sobre a síndrome de Melkersson-Rosentha!

Condição raríssima, a síndrome de Melkersson-Rosentha conta com sintomas como: aparecimento súbito de edemas orofaciais (inchaço na boca e no rosto), paralisia facial frequente e fissuras linguais. Estima-se que atualmente 0,08% da população mundial seja portadora, embora muitos casos não sejam notificados.

Descrita pela primeira vez em 1928 pelo neurologista Ernest Melkersson, a síndrome teve sintomas adicionados três anos depois, em 1931, por Curt Rosenthal. Nomeando assim a condição.

Normalmente os primeiros sintomas aparecem com o paciente ainda jovem, entorno da segunda década de vida. Mas não é raro que a primeira condição apareça na adolescência. Para o diagnóstico inicial é necessário que a pessoa apresente pelo menos 2 dos 3 sintomas principais.

Principais sintomas

Inchaço na boca e no rosto (edema orofacial)

Considerada pelos médicos o sintoma mais comum da condição, o edema orofacial é recorrente em mais de 80% dos casos. Normalmente o inchaço tem início no lábio superior, podendo expandir ao longo do tempo para crises em outras áreas como: bochechas, língua e gengiva.

Inicialmente o inchaço desaparece em horas ou poucos dias. Com a recorrência dos inchaços, o sintoma gera deformações localizadas pela fibrose desenvolvida.

Fissuras na língua

Presente em 70% dos casos, as fissuras linguais podem ocorrer também em quem não sofre com a síndrome de Melkersson-Rosentha, e atualmente afeta 5% da população não portadora da doença.

As fissuras podem se apresentar no dorso da língua e seguem em diferentes direções, sendo todas ligadas a uma fissura principal e mais funda no centro.

A condição também é comumente relacionada a macroglossia, que é o crescimento anormal da língua, podendo gerar dificuldades na fala e na deglutição.

Paralisia facial

As crises de paralisia facial são súbitas e aparecem sem nenhum sintomas anteriores. O sintoma afeta até 90% dos pacientes. O sintoma impossibilita os movimento da face pelos nervos e pode causar flacidez. Normalmente acomete apenas um lado do rosto.

Outros sintomas

  • Enxaqueca;
  • Perda do paladar;
  • Sintomas auditivos como a Hiperacusia;
  • Dificuldade para falar ou comer;
  • Disfunções das glândulas salivares, como por exemplo a hipersialia;
  • Acroparestesia;
  • Epífora;
  • Hiperhidrose;
  • Sintomas oftálmicos como lagoftalmo.

Mais comum em mulheres do que em homens da mesma idade, a síndrome de Melkersson-Rosentha não tem preferência de raça em sua incidência.

Causas da síndrome de Melkersson-Rosentha

Estudos ainda não conseguiram apontar uma causa concreta da doença, porém, alguns fatores são apontados como possíveis causas como: hereditariedade, pessoas alérgicas e com quadros infecciosos.

Acredita-se também que a condição possa estar ligada as outras síndromes como a de Besnier-Boeck e a doença de Cronh.

Alguns médicos confrontam as possíveis causas citadas acima e estudam a possibilidade do corpo do paciente ter desenvolvido um distúrbio vasomotor que produz tecidos a partir de estímulos variados.

Tratamento

O tratamento para a síndrome é feito com o uso pontual de corticosteroides nos momentos de crises que paralisam a face e causam os edemas. A medicação diminui o inchaço dos nervos, o que acelera a melhora do quadro. O tratamento com antibióticos também é amplamente usado, mesmo que ainda em fase de estudos.

Conhece alguém que sofre com a síndrome de Melkersson-Rosentha? Compartilhe esse post em suas redes sociais e ajude um amigo!

Postagens Recentes

Deixe um Comentário

Contact Us

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

Não pode ser lido? Mude o texto. captcha txt

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

pré diabetes descubra o que grupo de risco sintomas e os tratamentossíndrome de zollinger ellison tudo que você precisa saber